Pessoas conhecidas com déficit de atenção:

Steven Spielberg, Thomas Edson, Einstein, Leonardo da Vinci, Walt Disney, John Lenon, Louis Pasteur, Darcy Ribeiro, Ziraldo (e seu personagem Menino Maluquinho).

Até alguns anos atrás o "déficit de atenção" ou distúrbio da atenção" era conhecido como "disfunção cerebral mínima". Mais e mais o conceito de "déficit de atenção" está mudando, de "desordem" pela inclusão de uma série de qualidades como a criatividade, alta inteligência, habilidade de fazer muitas coisas ao mesmo tempo, e por um forte senso de intuição.

Aspectos negativos são desorganização, distração, esquecimento, dificuldade de completar tarefas, falta de senso de horário, bagunça.

Crianças com "déficit de atenção" quando adultas, permanecem hiperativas, e incapazes de ficar paradas.

Pessoas de pensamento muito rápido (fast-moving mind) como são conhecidas, podem estar bem adaptadas no contexto apropriado. Se uma criança muito agitada aprende bem, num contesto menos maçante, ela tem uma dificuldade de aprendizagem?!

Grande parte dos problemas de crianças com déficit de atenção (ADD - Attention Deficit Disorder), provém da falta de compreensão e de informação dos pais e educadores.

A questão não é o que há de errado com estas crianças, mas como são elas?

De alguma forma é como se você fosse super cobrado o tempo todo.

Você tem que agir o tempo todo, mostrar o que você sabe, mas você tem outra idéia antes de acabar com a primeira; então você vai para esta outra idéia, mas certamente a terceira idéia intercepta a segunda, e você tem que segui-la e logo as pessoas estão lhe chamando de desorganizado e impulsivo e toda espécie de palavras desagradáveis que mostram a total falta de compreensão da situação, porque você está trabalhando e se esforçando. Inquietos, não sabem esperar a vez. São rápidos!

A criança ou adulto com hiperatividade e déficit de atenção está aqui, ali, em todo lugar, fica tamborilando, batendo os pés, movimentando-se, cantando, assobiando, olhando aqui e ali, coçando-se, espreguiçando, rabiscando e as pessoas acham que ela não está prestando atenção. Ela se perde no tempo. As coisas acontecem todas ao mesmo tempo. Vendo televisão ela muda de canal a todo instante. Não tem capacidade de esperar na fila. Tem sempre o impulso de se movimentar, agir...

Durante uma conversa "sai do ar". A chave é a distração. Gosta de correr riscos. Está na frente, tirando conclusões e inventando soluções. A forma de cognição é qualitativamente diferente da maioria das pessoas. Quando não compreendidas ou não tratadas devidamente essas crianças ou mesmo os adultos são freqüentemente derrubadas pelo sistema. Tornam-se enfraquecidas, desanimadas (escolas, empresas, etc...).

Elas tem seus próprios ritmos. Cabeças de caleidoscópio, pensando muitas coisas, juntando idéias mil idéias ao mesmo tempo.

Fazer o diagnóstico ajuda a acalmar o barulho e a culpa . Ajuda-las a organizar-se ajuda muito. Trabalhar durante períodos curtos, dividir as tarefas em partes, ajudá-las quando necessitem. Criar limites externos aos seus impulsos. Medicamentos podem ajudar, mas não solucionam o problema.

O rotulado déficit de atenção é um estilo de vida, mais que um punhado de sintomas. Depois que o diagnóstico é feito, fica mais fácil se achar novas possibilidades de mudanças reais.

 

A criança pode manter atenção por muito tempo?

É preciso aceitar seu ritmo..

Os portadores de "déficit de atenção" (ADD) possuem 3 características ou componentes:

·             distração;

·             impulsividade;

·             gostam de correr riscos;

O déficit de atenção e hiperatividade são características.

Quando adultos podem ter diminuídos estes sintomas, pelo ambiente favorável em que vivem e pela aprendizagem (treino constante).

Distrações são freqüentemente confundidas com inabilidade da criança ou adulto de prestar atenção a algo específico. Mesmo assim são capazes de prestar muita atenção "hiperfocalizar" o que o interessa. Não existe déficit de atenção frente a um videogame.

O fato é que não prestam atenção a "alguma coisa", mas prestam atenção a "todas as coisas". "Quando na sala de aula, percebem o movimento fora da sala, pela janela ou pela porta, às outras crianças que se distraem, a mosca que voa, etc..."

Thon Hartmann volta no tempo fazendo uma comparação com a era do homem caçador e a era da agricultura. O caçador primitivo, que não estivesse num estado mental de alerta a tudo, observando todos os mínimos movimentos do seu meio ambiente, estaria em grande desvantagem. Aquele pequeno movimento disperso poderia ser um coelho que necessitaria para seu almoço; ou o tigre ou urso esperando para fazer dele seu lanche... Se ele focalizasse sua atenção para um ponto intensamente, no caminho, poderia perder um outro detalhe no seu habitat, e fatalmente ele perderia sua caça ou seria ele próprio a caça. ..

A sociedade moveu-se da caça para a agricultura, o homem necessita agora semear, regar e colher, tudo em sua época, e sua rotina, onde o agricultor não poderia perder sequer um único dia e passa a fixar sua atenção neste serviço e não podia se distrair dele, sob pena de perder a sua colheita.

A Impulsividade tem suas duas manifestações. O impulso que é no mundo de hoje o agir sem pensar, no passado refletia um rápido julgamento, ou rápida decisão.

Um outro aspecto da impulsividade é a impaciência. Um caçador pré-histórico descreveria a impulsividade de habilidade de agir e decidir, e desejo de explorar novas e inexploradas áreas.

Thomas Edson, considerado portador de "déficit de atenção ", descreveu como combinava distração com impulsividade ajudando-o "como caçador" a transformador e inventor.

Ele disse: "Olhe, eu começo aqui com a intenção de ir lá (desenhando uma linha imaginária) num experimento, para aumentar a velocidade do cabo Atlântico, mas quando eu tinha chegado num ponto na minha linha reta, eu encontrei um fenômeno e me dirigi em outra direção, para uma coisa totalmente inesperada".

Para um agricultor primitivo, a impaciência e impulsividade seriam um desastre. Se ele deixasse de diariamente acompanhar o crescimento da plantação, poderia perder a colheita.

Por outro lado os que "gostam de correr riscos" possuem a característica mais perigosa nos tempos atuais. Encontram-se muitos portadores de déficit de atenção entre a população carcerária, em grande número de problemas sociais, incluindo os delinqüentes juvenis e adultos desempregados.

Na evolução da história humana os caçadores foram postos de lado, isolados, mortos ou exilados. Os britânicos enviaram os "inadaptados" para a América e Austrália. Hoje, em algumas escolas, crianças com "déficit de atenção" são taxadas, estigmatizadas.

Certamente a sociedade atual dá preferência aos "agricultores", e as crianças quietas são recompensadas, no modelo do comportamento dos agricultores.

Com a revolução industrial, e a introdução dos mecanismos de repetição, a sociedade complementou o estilo agricultor. A primeira vista ser agricultor na sociedade atual é desejável, as agendas são acompanhadas, a grama cortada regularmente, as etapas da fábrica são desempenhadas dia após dia, regularmente e sem alterações. São, entretanto os "caçadores" os instrumentos sociais de mudança e liderança.

Entre os caçadores e guerreiros do norte da Índia e Europa, rituais religiosos eram desenvolvidos e iriam ensinar a focalizar a atenção e concentração. Isto também acontece na religião católica, com a repetição do terço, servindo de feedback, lembrando constantemente o que deve ser feito não deixando a mente vagar. Os mantras e as meditações, também eram repetidos todos os momentos. As pessoas com déficit de atenção ou altamente distraídas, também criariam concentração com os rituais religiosos, o que as ajudaria a focalizar a atenção.

Focalizar a atenção é uma coisa que não viria espontaneamente nessas pessoas, aí pode-se ver um aprendizado de comportamento nessas culturas. Os tibetanos budistas com suas práticas de meditação, tem o objetivo não de esvaziar a cabeça de pensamentos, mas deixá-la vazia para estarem conscientes completamente.

A baixa autoestima é crucial, e a recuperação da auto estima é muito importante para fortalecer o indivíduo e encorajá-lo a mudanças.

A compreensão do problema nos obriga a direcionar e reestruturar a escola e trabalhar melhor o ambiente para melhor acomodar as necessidades do portador do déficit de atenção.

Inatenção, impulsividade, hyperatividade, inibição ou inabilidade, gap entre capacidade e performance podem passar da inatenção para a concentração rápida. Energia cerebral bipolar. A criança pode ser muito perceptiva, curiosa, criativa e inventiva. Os atrasos de resposta são as marcas do déficit de atenção. Os "sintomas" não desaparecem com a idade.

Deve-se levantar a história clínica e a história familiar dos portadores do déficit de atenção.

É necessário compreensão, determinação, perseveração e paciência por parte dos familiares e educadores, que devem desenvolver um trabalho integrado. O objetivo do tratamento (em minha concepção, chamaria de treinamento) é aumentar a habilidade de focalizar a atenção com tarefas maçantes.

É como exercitar um músculo. Você exercita e ele fica mais forte.

Essas crianças podem apresentar dificuldades em algumas áreas da vida como aprendizagem, relacionamento, auto-estima, mau-humor, comportamento e relações familiares.